Implantodontia

IMPLANTODONTIA

Implantodontia é uma Especialidade da Odontologia que se destina ao tratamento do edentulismo total ou parcial por meio de reabilitações protéticas suportadas por implantes osseointegrados. No Brasil, essa Especialidade é regulamentada pelo Conselho Federal de Odontologia (RESOLUÇÃO CFO 168/90).

O implante osseointegrado é um cilindro (titânio ou zircônia) compatível com o tecido humano, que funciona como uma raiz artificial. Uma vez integrado ao tecido ósseo, o implante poderá ser utilizado como suporte para a instalação de diferentes tipos de próteses. A conexão direta, estrutural e funcional, entre o osso vital organizado e a superfície do implante foi definida como “Osseointegração” (BRANEMARK, 1969; 1997).

O descobridor da Osseointegração foi o médico sueco Per-Ingvar Branemark, que observou o fenômeno acidentalmente durante pesquisa realizada com câmaras de titânio inseridas na fíbula de coelhos. Os implantes são fixados no tecido ósseo, principalmente na maxila e mandíbula. Em alguns casos, o implante poderá ser instalado no alvéolo dentário imediatamente após a extração de algum dente ou raiz (Implante Imediato). Em casos mais complexos, com reabsorção óssea severa, os implantes podem ser ancorados no osso zigomático.

Os implantes podem ser inseridos no tecido ósseo por meio de diversas técnicas cirúrgicas. É fundamental a realização de exames pré-operatórios dos pacientes que serão submetidos ao procedimento cirúrgico. Normalmente são solicitados exames de imagem (Radiografias e Tomografia) e exames bioquímicos.

A maioria dos procedimentos cirúrgicos para a instalação de implantes pode ser realizada em Consultório Odontológico com anestesia local. Contudo, alguns casos com maior complexidade, podem ser realizados em ambiente hospitalar com anestesia geral.